22/09/2017

DILMA É A IOLANDA DOS EMAILS COM MONICA MOURA! PERÍCIA CONFIRMA. TCHAU, QUERIDA!

Dilma Rousseff, codinome Iolanda, se danou.

Rodrigo Janot denunciou-a por ter usado um e-mail clandestino para se comunicar com João Santana e obstruir a Lava Jato.

O documento sigiloso, obtido por O Globo, revela agora que os peritos da PGR comprovaram o fato.

De acordo com a denúncia de Rodrigo Janot, “os dados telemáticos obtidos (…) confirmaram a existência dos e-mails em questão”.

O que a petista vai alegar agora, e quais serão suas mentiras para justificar o injustificável?



Via: O Antagonista
Post: G. Gomes
Para: www.deljipa.blogspot.com.br

21/09/2017

O presidente Michel Temer (PMDB) procurou expressar ao mundo que o seu governo é um aliado na demanda mundial pela preservação da Amazônia. Para isso, citou um dado de que o desmatamento da floresta caiu 20%. Entretanto, o dado é impreciso, segundo pesquisadores que monitoram diariamente a área. Pior: a tendência é de crescimento.

Na terça-feira, Temer afirmou, em seu discurso de abertura da Assembleia Geral da ONU, em Nova York, que "os primeiros dados disponíveis para o último ano já indicam diminuição de mais de 20% no desmatamento na Amazônia".

O índice usado pelo presidente é do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e, em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, o pesquisador Antônio Victor Fonseca, coordenador do Boletim de Monitoramento do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) da instituição, criticou a suposta precisão apontada por Temer.

"O dado referenciado de 20% é em comparação aos alertas mensais de desmatamento do calendário de 2017 [de agosto a julho], em comparação com o de 2016. A base de dados gerados pelo Imazon não são a taxa oficial de desmatamento da Amazônia, que é gerado pelo INPE. É outra metodologia, com imagens de satélite. Não medimos a área desmatada, e sim apontamos tendências", afirmou.

Até o dia 20 de cada mês, o Imazon divulga levantamentos sobre tendências de crescimento ou queda do desmatamento na Amazônia. O último boletim do instituto, de julho de 2017, mostrou que o desmatamento na floresta caiu 21%, mas por outro lado ele subiu em 22% em unidades de conservação.

De acordo com Fonseca, além da imprecisão do contexto e do dado apresentado por Temer na Assembleia Geral da ONU, os recentes indicativos do governo federal batem de frente com a ideia de que exista um trabalho em prol da diminuição do desmatamento da Amazônia.

A polêmica em torno da Reserva Mineral de Cobre e seus Associados (Renca) é um exemplo. No seu último boletim, o Imazon apontava justamente a preocupação quanto o aumento do desmatamento em áreas de conservação ou terras indígenas.

"Já há uma tendência de desmatamento em áreas de proteção na região amazônica. É um fato preocupante, até pela importância fundamental na questão da diversidade, e a gente observa a perda florestal ao longo dos anos, associada aos projetos de lei que defendem a redução ou extinção de algumas reservas de conservação. Isso chama a atenção e serve de alerta", avaliou o pesquisador.

Uma avaliação cabal acerca do desmatamento na Amazônia virá nas próximas semanas, quando o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) deverá soltar o seu balanço anual a respeito do assunto. Segundo o índice mais recente (2015-2016), houve um aumento de 27% do desmatamento da floresta.

Fonte:: Sputnik Brasil
Via:NaoM
Post: G. Gomes
Para: www.deljipa.blogspot.com.br

A convite do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a Organização dos Estados Americanos (OEA) enviará uma equipe ao Brasil para acompanhar as eleições gerais do ano que vem. Esta será a primeira vez que o órgão observará o processo eleitoral no Brasil.

Em comunicado publicado na página oficial da instituição na internet, o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, considerou a visita um “grande passo” para a democracia brasileira. “Conte conosco em um evento tão significativo como são as próximas eleições gerais. É testemunho da abertura do Brasil e de suas autoridades e o reconhecimento da qualidade técnica-profissional de nossas missões de observação", disse Almagro.

De acordo com a OEA, o TSE enviou o convite formal à instituição na terça-feira (19). O Brasil será o 28º país a receber uma Missão de Observação da OEA.

“A Secretaria-Geral iniciará de imediato os preparativos para a Missão, incluindo os contatos com os doadores para assegurar os recursos financeiros necessários. As missões de observação eleitoral da OEA não podem receber financiamento do país anfitrião”, diz trecho do comunicado divulgado pela organização.

Pelo Twitter, Almagro agradeceu o convite. “Equipe da OEA observará pela primeira vez eleições no Brasil. Agradecemos a confiança do TSE em nosso trabalho”.

Segundo o TSE, o convite tem o intuito de trocas de experiências com órgãos internacionais e que o tribunal também acompanha eleições em outros países.

Lembrando que é uma forma de tornar o Pleito com transparente, mas fica  sob suspeição a questão da Urna Eletrônica que tanto desconfiança traz ao povo brasileiro, melhor rever e tornar segura e transparente esta questão também. tenho dito.

Informações: Agência Brasil
Post: G. Gomes
Para: www.deljipa.blogspot.com.br
Capa: encurtador.com.br/enpQ7

© REUTERS / Paulo Whitaker

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta quinta-feira (21/09/2017), que procuradores e delegados que o investigam estão lidando com "um político que não roubou e não tem medo deles". A declaração foi feito durante evento promovido pela Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT.

"Não é porque estou acima de qualquer coisa. É porque eu não fiz o que eles dizem que eu fiz. Se ele estão acostumados a mexer com político que roubou, que fez corrupção, que enriqueceu e está com o rabo no meio das pernas, eles estão mexendo com um político que não roubou, que não tem medo deles e que a única coisa que tem é a sua honra para defender", afirmou o ex-presidente, de acordo com o jornal O Globo.

Lula afirmou ainda que, quando foi depor à Polícia Federal, afirmou ao ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo que os delegados precisavam receber uma melhor educação. "Eles são verdadeiros analfabetos políticos", disse.

O ex-presidente acrescentou que o partido precisa "reagir" e cobrou da sigla a formação de um novo quadro de líderes. "O PT está precisando não apenas de novos programas, mas de novo dirigentes, gente com a cabeça do século 21", argumentou.


Via: Noticiaominuto
Post: G. Gomes
Para: www.deljipa.blogspot.com.br

O orretor Lúcio Bolonha Funaro afirmou, em depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR), que o presidente Michel Temer foi um dos destinatários de propina paga pela Odebrecht e Andrade Gutierrez em uma obra da estatal Furnas no Rio Madeira, em Porto Velho, Rondônia. As duas empreiteiras são sócias de Furnas na Santo Antônio Energia, responsável pela implantação e operação da Hidrelétrica Santo Antônio, obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Além de Temer, teriam recebido propina os ex-deputados Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, os dois presos atualmente por conta de desdobramentos da operação Lava Jato. Funaro não cita os valores da propina.

De acordo com o delator, Cunha lhe contou que a propina foi acertada pelos executivos Benedicto Júnior, da Odebrecht, e Otávio Azevedo, da Andrade. “Os valores foram recebidos por Eduardo Cunha e, posteriormente, foi repartido entre com Henrique Eduardo Alves, Arlindo Chinaglia e para Michel Temer”, diz Funaro em depoimento prestado em 24 de agosto de 2017 e anexado à denúncia oferecida por Rodrigo Janot contra Temer por organização criminosa e obstrução de Justiça.

Ainda segundo o delator, “provavelmente os pagamentos foram feitos parte em espécie e parte em doação de campanha, como era feito de costume na maioria dos casos.”

Cunha costumava ir na casa de Octávio Azevedo, localizada perto do aeroporto, quando ia a São Paulo. Que não sabe precisar, nesse caso, o valor total pago e os percentuais da divisão. Que Arlindo Chinaglia recebeu parte da propina porque era presidente da Câmara e ajudou a convencer o governo a entregar a presidência de Furnas para Eduardo Cunha”, explica Funaro em seu relato.

Em suas delações, os executivos Henrique Valladares, Augusto Roque Dias Fernandes Filho, José de Carvalho Filho e Benedicto Barbosa da Silva Júnior, o “BJ”, todos da Odebrecht, disseram aos investigadores que um grupo de quatro parlamentares recebeu cerca de R$ 50 milhões em propina para ajudar a empreiteira baiana e a Andrade Gutierrez na licitação de Santo Antônio.

Entre os citados pelos delatores, estão dois elencados por Funaro em seu depoimento: o ex-deputado Eduardo Cunha e o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP). O petista teria recebido R$ 10 milhões e Cunha teria embolsado outros R$ 20 milhões. Os delatores citam ainda o senador Romero Jucá, R$ 10 milhões, e o ex-assessor de Michel Temer, Sandro Mabel (PMDB-GO), que teria amealhado R$ 10 milhões. Todos os repasses, segundo os delatores, teriam sido divididos entre os centros de custo da Odebrecht e da Andrade Gutierrez.

Defesa

A reportagem questionou o Palácio do Planalto que afirmou que a posição do presidente Temer é a mesma contida em nota divulgada na quarta-feira, 13. Na nota, a Presidência da República afirma que as declarações do corretor Lúcio Funaro não são dignas de crédito. “Versões de delator já apontado pelo Ministério Público Federal (MPF) como homem que traiu a confiança da Justiça não merecem nenhuma credibilidade. O criminoso Lúcio Funaro faz afirmações por ‘ouvir dizer’ ou inventa narrativas para escapar de condenação certa e segura”, diz o comunicado.

O deputado Arlindo Chinaglia foi procurado, mas ainda não respondeu à reportagem. O advogado Délio Lins e Silva Júnior, responsável pela defesa de Cunha, também não retornou aos contatos. A Odebrecht e a Andrade Gutierrez foram procuradas, mas ainda não se posicionaram. O advogado Marcelo Leal, defensor de Henrique Alves, não retornou aos contatos.

Via: NBO
Post: G. Gomes
Para: www.deljipa.blogspot.com.br

Entre com o Email

Seja o primeiro a saber

Utilidades











Instagram


Top Comentaristas

Os Mais Acessados